A rota da jihad através da Venezuela


CapturarDescoberta uma rota para a circulação de militantes islâmicos desde o Brasil até a América Central com a anuência da Venezuela.

As autoridades de vários países sulamericanos foram alertadas para a existência de uma rota utilizada por prováveis extremistas islâmicos cuja passagem pela Venezuela foi documentada. Esses indivíduos em trânsito chegam por aeroportos internacionais no Brasil; e após um tempo, têm como destino a fronteira com a Venezuela, país que usam como acesso para chegar à Colômbia e, na sequência, provavelmente seguir a sua rota para a América Central e até mesmo os Estados Unidos.

O alerta foi feito em 2014 pelo então diretor do Escritório Nacional de Combate ao Crime Organizado e Financiamento ao Terrorismo da Venezuela, Gyoris Guzman. A reclamação de Guzman, que agora está na Espanha, onde se encontra como asilado político, não despertou qualquer reação por parte do Ministério do Interior venezuelano, hoje dirigido por Carmen Melendez, que negou a gravidade dos fatos revelados na investigação.

Segundo Guzman, “todos as medidas tomadas pela ministra estavam intimamente ligadas com o alto comando político do governo venezuelano, que desde essa data, o atual vice-presidente do país, Tarek el Aissami, já teria ingerência nas principais decisões sobre as políticas de atuação contra grupos militantes muçulmanos “.

“Na Venezuela há uma total falta de compromisso do governo para uma luta franca, sincera e bem-sucedida contra a criminalidade,” lamenta Guzman. Adverte que o regime de chavista “nem sequer cumpre os compromissos internacionais com a ONU ou de organismos regionais, como a Unasul e o Mercosul.” “É a ausência completa de um estado” afirma.

Acordos secretos chavistas para acolher no território venezuelano células do Hezbollah, o grupo militante xiita de origem libanesa, já foram investigados anteriormente. Também foi descoberto operações secretas das embaixadas da Venezuela no Oriente Médio para facilitar a emissão de passaportes para elementos extremistas islâmicos. Agora, acabou sendo descoberto outra prova da parceria chavista com o radicalismo islâmico: uma rota através do território venezuelano.

Cerca de quarenta pessoas

De acordo com investigações feitas pela equipe de Guzman exposta em um fórum de segurança do Mercosul, entre 2013 e 2014, havia cerca de quarenta pessoas supostamente ligadas ao extremismo islâmico que, em diferentes viagens, entraram ilegalmente Venezuela do Brasil pelo posto de fronteira mais próximo de Santa Elena de Uairén .

Aparentemente, eles tinham chegado no Brasil pelos aeroportos internacionais de São Paulo e Rio de Janeiro. Após curtas estadias no país, se deslocaram em voos locais para Manaus, no coração da Amazônia. Em seguida, eles seguiram seu caminho por rodovia. Uma vez na Venezuela, eles tentaram cruzar o país e ir para a Colômbia por Cúcuta . A maioria foram presos ao entrar Venezuela, mas outros estavam prestes a ir para a Colômbia.

Metade dos detidos eram somalis, mas também havia pessoas de Bangladesh, Etiópia e Quênia. “Eles eram todos muçulmanos e observamos seu radicalismo ; embora isso não era possível para estabelecer qualquer ligação directa a grupos terroristas específicos, concluímos que alguns vieram de áreas onde eles poderiam ter estado em contacto com Daesh ou Al Qaeda franquias , “diz Guzman.

As investigações têm mostrado que a rota já tinha sido fixada, graças a contactos locais que permitiram a criação de uma rede para pernoitar em hotéis escolhidos e poderiam até conseguir autorizações de trabalho (dois dos detidos tinham vistos de trabalho emitidos pelas autoridades brasileiras) . “O que encontramos muito provavelmente foi um projeto de uma rota, o que eventualmente poderia funcionar em uma escala muito maior para enviar jihadistas para a América do Norte, porque na Colômbia não ficariam” afirma Guzman.

Venda de passaportes na Malásia

A venda de passaportes venezuelanos a membros de movimentos jihadistas também foi investigada pelo Escritório Nacional contra o Crime Organizado e o Financiamento do Terrorismo quando dirigido por Guzman. De acordo com ele, em 2013, três funcionários do Serviço de Inteligência Bolivariano (Sebin) chegaram a se mudar para a Malásia, seguindo algumas pistas.

Apesar da falta de cooperação da Embaixada da Venezuela na capital da Malásia, os agentes foram capazes de provar que em um específico estabelecimento comercial local foram vendidos passaportes venezuelanos, mas não conseguiu determinar os nomes das pessoas que tinham adquirido ilegalmente esses documentos. A operação levou à prisão na Venezuela de mais de uma dúzia de funcionários Setor Administrativo de Identificação e Imigração (Saime)

A venda de passaportes venezuelanos tem sido exposta em várias reportagens. Há um ano, Misael Lopez, que serviu como número dois da embaixada no Iraque, informou que a embaixada em Bagdá estava vendendo passaportes de modo habitual. Ademais, ele forneceu provas que colocam em evidência como os elementos ligados ao Hezbollah adquiriram vários documentos de identidade, alguns deles emitido pelas próprias autoridades venezuelanas. A CNN fez uma reportagem em fevereiro tendo como tema o relato de Misael.

Além disso, também tem sido denunciada a facilidade de entrada para a Venezuela que tiveram cidadãos iranianos suspeitos de actividades ilegais. Gyoris Guzman recorda o caso de quatro deles que, juntos com um afegão, foram detidos em Caracas em novembro de 2013, depois de terem embarcado em um avião para o Canadá . Eles foram descobertos quando, antes da decolagem, a tripulação, contando o número de passageiros, descobriu que cinco não estavam na lista. Guzman diz que vários deles tinham ficado no hotel Galaxy Caracas, conhecido como um local de elaboração dos mulas para transportar drogas. Uma pessoa já havia sido presa por tráfico de drogas depois de retornar de uma viagem ao Equador.

 As possíveis primeiras condenações

Pela primeira vez na América Latina, nos próximos meses, um tribunal pode condenar indivíduos por terrorismo pertencentes a grupos extremistas islâmicos. Como lembrado pelo especialista Joseph Humire em um recente discurso perante uma comissão do Congresso dos EUA no Peru está comemorando o julgamento contra o libanês Mohamad Hamdar Ghaleb , que foi preso em 2014 em Lima, por supostamente planejado um ataque terrorista. Seria a primeira vez que um país latino-americano qualifica de facto Hezbollah como um grupo terrorista.

Enquanto isso, no Brasil, está conduzindo o julgamento de doze brasileiro preso no Rio de Janeiro em julho de 2016, acusado de preparar um ataque com armas de pequeno porte em vários eventos dos Jogos Olímpicos. O grupo confessou estar ligado ao Estado Islâmico em uma mensagem criptografada.

Segundo afirmado por Humire no Congresso, “por muitos anos, as redes terroristas islâmicos têm operado em um estado de graça jurídica na América Latina. Mais de metade dos países da região não têm enquadramento legal contra o terrorismo. E aqueles que têm leis anti-terrorismo excluem todas as organizações terroristas estrangeiras “.

Anúncios

Um comentário

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s