Patriarca da Odebrecht depõe a Moro hoje


Emílio Odebrecht e outros dois ex-executivos que também fizeram delação premiada falarão como testemunhas de defesa de Marcelo Odebrecht, preso desde 19 de julho de 2015

O delator e patriarca do grupo empresarial Emílio Alves Odebrecht depõe ao juiz Sérgio Moro a partir das 9h30 desta segunda-feira, 13, como testemunha de seu filho  e também delator Marcelo Odebrecht, preso desde 19 de julho de 2015 na Operação Lava Jato.

Emílio, que foi um dos responsáveis por coordenar junto com os advogados as negociações com o Ministério Público Federal da maior colaboração da história, vai falar pela primeira vez ao juiz da Lava Jato em Curitiba por meio de videoconferência com a Justiça Federal em São Paulo. Além dele, também serão ouvidos na defesa de Marcelo o atual presidente do grupo Odebrecht, Newton de Souza e os ex-executivos e também delatores Pedro Novis e Márcio Faria.

Ligados à cúpula da empreiteira, eles vão depor  na ação penal da Lava Jato em Curitiba na qual o ex-ministro Antônio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma) é acusado de atuar para favorecer os interesses da Odebrecht junto ao governo federal na contratação de sondas de exploração do pré-sal com a Petrobrás.

Por lei, Emílio poderia não falar nada que implicasse seu filho em irregularidades. Como fez a delação premiada, contudo, o executivo será obrigado a contar o que sabe sobre os episódios apontados pelo Ministério Público Federal na acusação que atinge, além de Marcelo, os ex-executivos da empreiteira Hilberto Mascarenhas, Luiz Eduardo Soares e Olívio Rodrigues Junior, que supostamente lavava dinheiro de propina para a empreiteira.

Outras testemunhas. Na parte da manhã, também será ouvido pelo juiz da Lava Jato o  ex-ministro da Justiça no governo Dilma, José Eduardo Cardozo, arrolado como testemunha de defesa de Palocci. Além deles, outras duas pessoas chamadas pela defesa do ex-assessor de Palocci Branislav Kontic depõe pela manhã.

Na parte da tarde, a partir das 14h, será ouvido o vice-governador do Rio Francisco Dornelles, arrolado também como testemunha de defesa de Palocci, e outras sete testemunhas arroladas por demais réus da ação penal.

Estadão

Anúncios

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s